Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Espancando o Judas

por Fernando Zocca, em 07.10.14

 

 

 

 

 

 

 

Escolhido o "Judas", pelos políticos locais, pretendem vencer as eleições, os candidatos que mais nele baterem ou destruí-lo.

Os pretendentes aos cargos públicos que garantem a danação dos adversários dos seus eleitores assemelham-se a Pilatos e a Herodes que, para agradar os seguidores de Anás e Caifás, determinam a crucificação do Cristo. 

Nessa briga insana pelo poder vale tudo: o alarmismo médico ganha volume e até os carrapatos, que por serem estrela, recebem destaque negativo.

Geralmente caem nas próprias armadilhas aqueles que as armam contra os que não simpatizam. 

Estranham os comentários indignados contra os que votaram no Collor ou no PT dizendo terem eles cometidos atos contrários às leis e que por isso não mereciam ser eleitos. 

É preciso dizer que tanto o ex-presidente Fernando Collor quanto os integrantes do PT que "derraparam" saindo fora dos ditames das leis, cumprem ou cumpriram suas penas. 

É estranho, esquisito mesmo, manter a noção do castigo eterno. Se o sujeito cumpriu com as determinações do judiciário, não há que se questionar sobre seus delitos passados. 

Se Marina Silva vem, em adesão a qualquer das partes disputantes da presidência, com a intenção de, para agradar setores descontentes, prometendo castigo, pode ter a certeza de que ela não obterá sucesso. 

Os eleitores não precisam de "Cristos". Precisam do amparo, orientação e favorecimento dos governos, para que suas atividades e suas vidas sejam mais plenas.

Tenho percebido (e quem não vê?) as ações sociais do governo federal. 

Tanto nos setores da educação com a criação de programas custeadores dos cursos universitários, instalação de faculdades, como os da saúde com o mais médicos e da segurança, o minha casa minha vida e as bolsa família e escola, tem produzido mudanças sensíveis na sociedade brasileira. 

Tudo bem que os setores empresariais sintam-se enciumados ou preteridos na apresentação de soluções para os problemas brasileiros. Mas o PT é mais povo, mais gente humilde.

Não pode sentir, pensar e dirigir ações às pessoas mais pobres aqueles que nunca foram pobres, nunca viveram como eles, não sentiram o que eles sentem. 

Por isso, um Aécio Neves, por mais bem intencionado que seja, jamais terá um tirocínio direcionado acertadamente ao eleitor mais pobre.

Patrões e empregados são diferentes, pensam diferentemente, sentem e agem de forma diversa.

Lula foi empregado e sabe como é ser pobre. Por isso a sua política é coerente com os mais humildes. Foi Lula quem indicou a Dilma para a presidência. No governo dela quem fez mal feitos, foi julgado, condenado e preso.

Não é porque alguns petistas praticaram delitos que todos os demais não são honestos.   

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:54

Cardume de piranhas

por Fernando Zocca, em 14.05.14

 

 

 

 

Você já imaginou o quão poderosa seria a força resultante da união entre os presidiários petistas, cumpridores das penas a eles impostas, e os corruptos tucanos, envolvidos nas fraudes licitatórias dos metôs e trens?

 

Há quem afirme que, a exemplo do que acontece ao boi, atacado por um cardume de piranhas, não restaria da entidade pública, onde eles atuariam, nada mais do que os destroços das estruturas.

 

Mas afinal o que existe em comum entre os componentes dos dois grupos?

 

Um dos fatores é a consciência da existência das riquezas a serem acrescidas aos seus patrimônios particulares. Outro elemento comum é a crença de que a impunidade superaria qualquer flagrante ou execração pública que pudesse haver.

 

E, certamente, a ocupação dos cargos públicos proporcionaria a chance de por em prática o vetusto ditado "a ocasião faz o ladrão".

 

Eu já disse várias vezes, neste vosso blog mais querido, que o ladrão vale-se tanto das pequenas, quanto das grandes coisas.

 

Assim, aquele ladrãozinho principiante pode satisfazer-se subtraindo para si textos copiados da Internet e publicados depois em seu nome.

 

O ladrão mais escolado pode levar na conversa famílias inteiras, deixando-as na penúria extrema, ao desviar para si ou para outros, os bens de uma herança. 

 

Você sabe que esse - o furto - é um jeito existente, capaz de  acrescer às suas, as coisas que não deveriam ser. É uma forma antiga de enriquecimento ilícito.

 

Por falar em enriquecimento, não podemos deixar de lembrar dos nossos queridos vereadores. 

 

Eles não fazem nada, praticamente nada, além de nomear ruas, loteamentos, e passar horas e horas discutindo coisas que qualquer cidadão comum faz, e de graça, nos assentos das praças.

 

A diferença entre os nossos edis e o povo, que conversa nas praças, é o salário. 

 

Não digo que os votos recebidos sejam diferenciadores porque não se pode duvidar da possibilidade da compra deles. A negociação feita com o pessoal capaz de aumentar ou diminuir - na apuração - o número dos votos, de qualquer candidato, pode gerar uma vida pública bem longa.

 

Nós temos aqui na cidade pessoas que vivem dos salários pagos pelo povo há mais de 20, 30 anos.

 

Quando comparamos o vereador a um operário da indústria percebemos que durante um ano o trabalhador pruduziu - por exemplo - 436 bicicletas, em troca de um ou dois salários mínimos mensais. 

 

Já o nosso homem público esperto não fez nada além de reunir-se, uma ou duas vezes por semana, no plenário da câmara municipal, para discutir assuntos de somenos importância, ou outorgar afagos públicos, recebendo em troca quase R$15 mil mensais. 

 

Mas o meu querido e inteligente leitor poderia perguntar: se é assim por que então o operário não se candidata aos cargos eletivos?

 

Ora porque, pra entrar nessa "panela", o sujeito tem de ter o caráter suscetível às desonestidades. Se não o tiver, que pelo menos, não impeça os despojamentos feitos pelos circundantes, quando a ocasião for propícia. 

 

Você sabe: muita gente boa morreu ao tentar "dedurar", impedir ou negar-se a participar das sem-vergonhices. 

 

Por isso meu amigo, se você é petista, tucano ou componente de qualquer outra entidade, apta a disputar as próximas eleições, saiba que o pessoal desse vosso blog quer estar alheio, bem alheio, a essa patifaria toda. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:09

A Técnica das Manobras

por Fernando Zocca, em 16.10.12

 

 

 

Esse mensalão que rola hoje é semelhante ao do PSDB do Sérgio Motta e Fernando Henrique Cardoso.  A diferença entre eles consiste no fato de que o daquele, houve a alcaguetagem de um frustrado.

 

Quem não se recorda do zunzum que havia na imprensa, no período em que o PSDB estava na presidência da República? O que se comentava era que o então Ministro das Comunicações Sérgio Motta obtinha o apoio de parlamentares, da mesma forma que esse suposto jeito julgado hoje.

 

Entretanto no esquema do PSDB não havia um Roberto Jefferson que, contrariado, deu com a língua nos dentes.

 

No maracutaia das ambulâncias, do qual participou a empresa Planan, os Vedoin, e Barjas Negri, não sobrou nada que pudesse embasar recriminações oficiais.

 

Na mutreta do atual prefeito de Piracicaba, quem poderia comprometê-lo seriamente era o seu ex-chefe de gabinete, o senhor Abel Pereira. Abel, como todos sabem, era dono da empreiteira CICAT que em troca do financiamento das campanhas do Barjas, recebeu a vitória em mais de 30 licitações.

 

Portanto, entre as embrulhadas que hoje aparecem com destaque na TV, e aquelas havidas no período peessedebista, a diferença consiste única e exclusivamente na delação.

 

A trapalhada é a mesma.

 

Não que eu considere equivocados os acontecimentos presenciados hoje no Supremo Tribunal Federal. De forma nenhuma. Entretanto, em que pese o tempo decorrido, os deslizes praticados pelo PSDB deveriam vir à lume e explicados à população.

 

De uma coisa você pode ter a certeza, meu querido leitor: a técnica das manobras do PSDB em cometer os descalabros sem ser pego, supera em muito, qualquer outra.

 

A linha Lilás do Metro de São Paulo é um exemplo do que se comenta. Nesse caso, sabia-se, com antecedência de meses, qual seria a empreiteira vencedora das licitações.

 

Com relação às contas apresentadas pela administração do senhor Barjas Negri, os tribunais as têm reprovado invariavelmente. As causas disso tudo, não deixariam de ser a inobservância da aplicação das verbas na educação, saúde e segurança municipais.

 

A prioridade do PSDB em Piracicaba, como todo mundo sabe, é a construção de obras voluptuosas.

 

Assim, pontes, viadutos, passarela e tudo o mais que significa o uso de cimento, ferro, areia, cal, tijolos e licitações têm a atenção da prefeitura.

 

Veja: não é de hoje que as reclamações do mau atendimento nos setores da saúde, educação, transporte público e segurança do município são tão evidentes.

 

E pelo que se pode perceber, continuarão do mesmo jeito.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:20


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D