Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Os Furtados

por Fernando Zocca, em 21.01.13


 





A deficiência intelectual não é só um sério limitante do bem-estar dos seus portadores, mas também dos que lhes estão no entorno.


A base genética, mais os hábitos familiares nocivos, tornam os indivíduos refratários à alfabetização, mantendo-os num estágio tão primitivo, ou até mais degradado, do que o dos símios.


E é claro: quem se aproveita disso são os mais espertos, geralmente aqueles políticos agarrados aos ubres públicos por gestões e gestões infindáveis.


Há quem entenda que o exercício do papel de vereador seja uma profissão.


E o que mais faria uma pessoa pensar assim, além do fato de estar lá na câmara há tanto tempo?


Não seria o prazo de validade tão alongado, do tal mandato, que a faria confundir a função legislativa com a relação de emprego numa empresa qualquer?


Mas engana-se muito aquele que acha ser o tal sortudo, ocupante da sinecura, um solitário.


Na verdade os seus apoiadores são tantos que se não houver a prática do desvio do dinheiro público, a satisfação financeira do tal "eleitorado" se frustrará.


Perceba que, com a base apoiadora insatisfeita, até mesmo o cargo do esperto estará ameaçado.


E nesta politicazinha suja do interior vale tudo: desde a sedução até a ameaça de lançar contra os furtados, as religiões, os fiéis e suas crenças.


Mais vale, para o político incompetente, a manutenção da ignorância, da deficiência dos transportes públicos, da saúde, e da insegurança na cidade, do que resolver isso tudo e deixar de revolver a argamassa.


Mas, creia, a deterioração da educação, dos transportes, da saúde e da segurança, existe mais por incapacidade, incompetência e mediocridade dos atuais ocupantes dos cargos eletivos do que por outro motivo qualquer.


Isto é inegável.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:16

As Decisões Soberanas

por Fernando Zocca, em 07.12.12

 

 

A América Latina tinha certa dificuldade com a Democracia. Há alguns anos atrás, uma crisezinha qualquer já motivava golpes terríveis de Estado.


Entretanto, passado tanto tempo, com a experiência positiva de poder eleger o seu candidato, para gerir as coisas do município, dos Estados e das Uniões, aquele fantasma daninho do autoritarismo, vez ou outra, reaparece assustando todo mundo.


A composição dos Estados modernos é feita por três poderes distintos cuja função é contrabalançar as forças atuantes no país, garantindo assim o equilíbrio.


Mas o que temos observado é exatamente o resquício do mandonismo aparecer para preocupar o curso tranquilo das águas democráticas.


A ingerência de um poder sobre outro, em assunto que não lhe seria da competência, é o sintoma de que o velho autoritarismo pode reaparecer.


Um exemplo recente disso acontece na Argentina, nossa vizinha, onde a presidenta Cristina, tentando influir no Judiciário, que tem no momento a incumbência de julgar alguns artigos da lei, referentes à liberdade de expressão, pressiona juízes, e os transfere, retirando-os do caso.


Entre nós a cassação dos mandatos dos deputados condenados no processo 470 do Supremo Tribunal Federal, pelo próprio órgão judicante pode, em tese, não deixar de ser uma ingerência do judiciário no legislativo.


Perceba que o entendimento de que o judiciário deve cassar o mandato dos réus condenados, nesse caso do “mensalão”, extrapolaria os limites constitucionais, pois retiraria essa prerrogativa da Assembleia Legislativa.


Talvez o STF aplique ele mesmo a pena da perda dos mandatos, por não confiar que o legislativo federal cumpra essa obrigação determinada na lei.


O conflito está instalado: já imaginou o que pode acontecer se pelo voto direto e secreto, a maioria dos deputados federais, em sessão ordinária, escolhe pela manutenção dos mandatos outorgados pelo povo, aos enxovalhados réus, condenados pelo Supremo Tribunal Federal?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:52

Justiça cassa o mandato de 13 políticos

por Fernando Zocca, em 24.10.09

 

              Com base nas provas da denúncia do Ministério Público Eleitoral, de que para as eleições de 2008, teriam recebido doações ilegais no valor de R$ 10,8 milhões, da Associação Imobiliária Brasileira e SECOVI, o Juiz Aloísio Sérgio Rezende da Silveira da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, em 19/10, segunda-feira, cassou os mandatos dos vereadores Adolfo Quintas Neto (PSDB), Carlos Bezerra Júnior (PSDB) Cláudio Roberto Barbosa de Souza (PSDB) Gilson Barreto (PSDB), Dalton Silvano (PSDB), Ricardo Teixeira (PSDB), Carlos Apolinário (DEM), Domingos Dissei (DEM), Marta Freire da Costa (DEM) Ushitaro Kamia (DEM), Adilson Amadeu (PTB), Wadih Mutran (PP) e Paulo Abou Anni (PV).
 
            Negando o recebimento de qualquer donativo, os cassados apelaram ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e, nesta sexta-feira, 23 de outubro, obtiveram o efeito suspensivo da sentença até o próximo julgamento, conforme informou o Última Instância.  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:50


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D