Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A Percepção do Criador

por Fernando Zocca, em 20.09.11

 

 

 

                        A criação artística e o artesanato são atividades quase semelhantes. A primeira, mais elaborada, possui um conjunto de técnicas que possibilitam o conseguimento dos seus objetivos.

                        Assim, para a composição de uma sinfonia o músico seguirá determinadas diretrizes, da mesma forma que o pintor obedece as regras e os usos, para a elaboração dos seus quadros.

                        O artesanato, que também não deixa de ter um conjunto básico de procedimentos, não teria tanta abrangência social quanto uma obra literária, um filme ou uma telenovela.

                        O elemento comum entre essas atividades é a criação. E esta nada mais é do que a expressão do comportamento livre do criador. Veja que um operário não tem, dentro da fábrica, os movimentos libertos que experimenta o autor da obra artística.

                        Na empresa o trabalhador está realmente sujeito às determinações do empregador e não pode fazer “o que lhe dá na telha” sob pena de incorrer na classificação de inservível.

                        Veja que a arte reproduz a realidade do seu autor. Nos romances, nos filmes, nas novelas, a percepção do criador se expressa na existência dos seus personagens.

                        Então quando vemos numa telenovela – Fina Estampa, por exemplo -, uma pessoa como Tereza Cristina Velmont (Cristiane Torloni), você pode ter a certeza de que essa individualidade autoritária, arrogante, prepotente, aristocrática, monárquica, pode ser encontrada em nosso meio, em nossa sociedade.

                        Note que o não gostar de novelas só porque mostrariam “coisas ruins” seria o mesmo que deixar de assistir aos telejornais por apresentarem as mazelas do mau caratismo político.

                       E perceba meu querido leitor, que o deixar de ler jornais, ou ver televisão, para esquivar-se dos maus momentos, poderia ser comparado ao fechar os olhos para as nossas próprias culpas, nossos erros, nossas secreções, que insistimos em deixar, às ocultas, debaixo dos lençóis.

                        Quantas Teodoras Bastos da Silva (Carolina Dieckmann) você já não encontrou durante a sua vida? Eu conheço várias delas. Muitos gostariam de não ter pecado algum para enchê-las de pedradas.


20/09/11


Veja a aristocrática, arrogante, prepotente e monárquica Tereza Cristina, no vídeo abaixo.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:13

O Jantar

por Fernando Zocca, em 27.04.11

 

 

 

 

                    Aquela conversa ali na mesa do restaurante já estava ficando sem graça. Nós chegáramos para jantar num clima tenso e quase não trocamos palavras.

                    Não sei o que perpassava pela cabeça do Oswaldo, mas desconfiava que só podia ser ciúmes. Aquele jeito de quem se mostra contrariado, eu já notava nele, desde o tempo em que dançava na boate.

                    Ele me conheceu durante as minhas apresentações públicas e sabia que as exposições criavam situações suscitantes de ciúmes, portando não podia reclamar. Ele estava sem razão.

                    Mas o clima ruim não passava. Parece que a lasanha não estava saborosa, o vinho não era tão gostoso e a água não tinha a temperatura agradável.

                    O burburinho no ambiente não incomodava, e não houve alteração, quando o Roberto se aproximou.

                    Ele vinha com aquele jeito despretensioso e, sem ser convidado, tomou o assento ao lado do amigo Oswaldo.

                    - Horrível! Horrível! Vocês não imaginam o que o filho do porteiro do prédio fez ontem. – disse o intruso quebrando o silêncio desagradável que pairava entre nós.

                    Notei que o Oswaldo contrariou-se com a presença inoportuna do colega, mas sem dizer nada que o refutasse, deixou que ele prosseguisse.

                    - O adolescente saiu de casa dizendo pra mãe que ia pro estádio ver o jogo do São Paulo. Mas quando chegou no boteco da esquina, parou pra tomar umas e outras com os amigos. Conversa vai, conversa vem, ele e um outro se embriagaram tanto que perderam a noção do tempo. Eles ficaram tão mal que o jogo terminou e nem do bar haviam saído. Então, o filho do porteiro, pra se vingar daquela companhia desagradável, disse que uma tia havia viajado e que estava com a chave da casa, onde poderiam comer alguma coisa e depois ir embora. E lá se foram os dois bêbados. Entraram, comeram, beberam e quando o convidado dormiu depois, de sentar-se no sofá, o filho do porteiro, juntou ali na sala, aos pés do adormecido, todos os objetos de valor da casa. Ele fez uma “montanha” com o DVD, câmera filmadora, máquina fotográfica, TV, micro-ondas, computador, notebook, roupas, bijuterias e outras coisas de valor. Em seguida arrombou a janela do quarto dos fundos. Saiu e trancou, por fora, a porta da rua, chamando a polícia, que ao chegar prendeu o dorminhoco por tentativa de furto. – concluiu Roberto suspirando, na maior serenidade.

                    Bom, eu quase “pirei na batatinha” e pude notar que o Oswaldo engasgou, no final da história, enquanto observava o amigo que se servia alegremente da lasanha.

                    Sem qualquer cerimônia, e no exato momento de pagar a conta, Roberto afirmou ter esquecido a carteira.

                    Olha, eu sei que o tumulto foi notado por muita gente, ali na porta do restaurante, quando em altos brados, tentei dizer ao Oswaldo, que desejava ir embora sozinha. Que não queria mais falar com ele. Eu iria de taxi, mas ele insistiu tanto, que acabamos indo no carro dele. O Roberto veio junto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:59


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D