Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Incesto

por Fernando Zocca, em 15.05.19

 

 

Donizete Pimenta quando conheceu Dani Arruela não sentiu grandes emoções que o fizessem abandonar aquela sua vida de vadio em troca da constituição dum santo lar conjugal.

À primeira vista a mocinha desengonçada, cuja fama de barraqueira e volubilidade chegaram bem primeiro do que ela, ao mancebo, não despertou tanta sanha libidinosa, que, entretanto, aflorou no íntimo do cidadão, quando Arruela, numa tarde, se aproximou dele com a filhinha.

Pimenta, de queixo caído, bocarra aberta, vislumbrou a possibilidade da ocupação de, no mínimo, dois papéis naquela que poderia ser a melhor chance, o gol do jogo, da sua vida.

Ele seria padrasto e também sogro se tudo acontecesse como, num átimo, ele imaginou.

- Mas como assim? Isso é imoral, não pode – garantiu Delsinho Espiroqueta quando, intuitivamente, sacou as intenções do mancebão malvado.

- Ih, meu nego, ocê não sabe de nada; nem imagina as ocorrências, no fundinho daquele quintal, depois da chegada da noite – rebateu Zé Laburka que, ainda com dores no cangote e costados, ouvia a lengalenga do parceiro.

- Ou é uma coisa ou outra. Ou ele é o padrasto da mocinha ou genro da mãe dela – continuou, com firmeza, Delsinho demonstrando indignação – poligamia, incesto, isso não pode!

- É, meu neguinho, mas as coisas não são assim não. Depois das pingas, das latas e mais latas de cerveja e até dos endiabramentos advindos daqueles cigarrinhos do demônio, não tem funileiro que detenha os quasquasquás; até a concubina se lança nas estripulias sensuais – definiu Zé Laburka, esfregando o bigode fininho.

- Minha santa mãe. Isso é perigoso; é crime na lei dos homens e moralmente destrói a saúde dos envolvidos. Eles podem ter um derrame cerebral, um infarto ou sei lá o quê... – a intransigência do Delsinho deixava Laburka cada vez mais nervoso.

- Você não sabia, meu lindinho fabuloso, que a própria mãe da Arruela mandava a filha pro trottoir quando lhe faltava o dindin pra pagar as contas? No começo a mocinha, de cabelos pretos e compridíssimos, por não ter experiência, aceitava até hambúrgueres em troca dos michês – completou Laburka demonstrando certa satisfação ao ver as reações que o resultado das suas investigações causava no parceiro.

- Aí, não sei. Mas pra quem acredita que o vácuo é o marido da vaca até pode ser. Se isso for mesmo verdade, esse tal de Donizete Pimenta não deixará de se tornar o mais tremendo e encacarecado pinguço tupinambiquence – profetizou Delsinho.  

       

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:39

Paixões a Arder

por Fernando Zocca, em 17.11.12

 

É inegável que a violência grassa nas grandes concentrações humanas. Não são incomuns as reuniões de pessoas que passam horas a bebericar, para depois, por um me da cá aquela palha, agredirem aos próximos com chutes no peito ou garrafadas nos costados.


De quem seria a culpa de tanta selvageria, de tanta falta de educação? Como você pode dizer ao pai de um moço amancebado, viciado em drogas, que seu filho agride pessoas com palavras, fisicamente com pontapés e garrafadas, se o próprio pai do meliante também passou por condenação penal e não está nem aí com o problema?


Como pode o cidadão comum dirigir-se à gordurosa mãe do proxeneta a fim de lhe pedir a frenação da loucura daquele produto podre do seu ventre? Ô carniça!


Que tipo de conversa teria você, meu amigo leitor, com um assassino em potencial, que faz do ócio dos seus dias inúteis, momentos de perturbação do sossego alheio?


Que diria você, minha amiga leitora, para uma pessoa sustentada com o dinheiro que recebe a concubina, em decorrência de uma ação de alimentos proposta contra um pobre infeliz ingênuo, apanhado na armadilha da barriga de aluguel?


O que diria o senhor delegado de polícia, a senhora assistente social da prefeitura, para as pessoas amontoadas em cortiços de onde não se vê sair nada de bom que não seja drogas ilícitas?


Observa-se, em alguns trechos, da abandonada Vila Independência muitos cistos, cabeças-de-porco, verdadeiros chiqueiros formados por amontoados de pessoas vindas de famílias desfeitas, totalmente privadas de boas maneiras e civilidade.


Onde estão os pais responsáveis por esses selvagens? Onde está a autoridade policial a quem incumbe a repressão ao tráfico de drogas ilícitas?


Onde estão as autoridades legislativas e do executivo dessa cidade? Estariam por certo em lugares diversos dos demais trechos em que permanecem imobilizadas nas perenes poses para as fotos com as quais se exibem ao púbico?


Cadê a educação das jovens adolescentes abandonadas pelo pai irresponsável, quiçá agalhado pela mulher leviana? Onde está a responsabilidade do avô libertino, que nada faz pela educação das aprendizes de meretriz, a não ser esperar com avidez o pagamento efetivado constantemente pelo poder público?


Onde está a sensatez da velhota ocupante do lugar da avó morta em circunstâncias ocultas?


Onde estão os pais da moça que vive no bem-bom usufruindo as pensões alimentícias, pagas por homens diversos, genitores dos filhos adulterino e natural?


Que segurança se pode ter nestes bairros distantes onde no mínimo você pode levar um pontapé no peito ou uma garrafada nas costas?


Piracicaba é maior do que esse lixo hospitalar, lixo de cadeia, lixo de prostíbulo, e lixo de botequim que se acumula nos cortiços obscuros e tenebrosos da cidade, justamente neste começo do fim do mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:59


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D