Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


...

por Fernando Zocca, em 11.02.11

O Infernizador

 

 

                                                A frustração dos impulsos sexuais pode transformar-se em ódio e ressentimento, que fará do inibido um perturbador impertinente.

 

                        A libido represada conduz o sujeito ao comportamento vingativo, odiento, que somente se satisfará ante o sofrimento do frustrador.

 

                        O malogrado compensará também sua angústia com a maledicência e muitas fantasias sobre aquele obstáculo “insensível” e “maligno”.

 

                        A busca da satisfação sexual com quem não a deseja e a rejeição dos carinhos, daquele que se mostra receptivo, formam em ambas as almas, uma poderosa força contrária negativa, cujos objetivos podem ser, inclusive o de transformação do gênero do decepcionante.

 

                        As insatisfações, tanto a sexual quanto a da paz, do equilíbrio do sujeito, são fatores evocados pela figura exponencial do triângulo.

 

                        As almas frustradas, sofridas, unem-se então na busca incessante da eliminação da fonte do desprazer.

 

                        Os conluios, conchavos, armadilhas e até violências físicas são os resultados das aproximações sexuais não desejadas.

 

                        Banhos de cachoeira, espelhos e papéis podem lembrar os dramas vividos pelos rancorosos, incapazes de substituir as más sensações, causadas pelas experiências negativas.

 

                        Quase ninguém condena os que afirmam ser mortal o ódio da “bicha” frustrada.

 

Patrocine este blog.    

                         

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:14

Deixe que digam, que pensem e que falem

por Fernando Zocca, em 13.01.10

 

               A minha casa é minha casa, agora, minha vida pode muito bem ser vivida em outro lugar. A existência não dependerá somente do ter uma casa. Quanta gente não perdeu o que tinha e mesmo assim continuou vivendo?
                Seria mesmo a manifestação da falta de bom senso dizer que estaria a vida acabada só pelo fato de ter a casa ruída, ou tomada pela lama. Pra tudo se dá um jeito nessa vida.  E olha: considero muito crítico esperar tudo do governo federal.
                Tudo bem que o Brasil tenha uma história peculiar, diversa da maioria dos seus vizinhos, mas aguardar do “paizão” a casa, a bolsa disso, a bolsa daquilo é mesmo passar um recibo de incompetência homérica.
                Imagine você uma família com numerosos filhos, todos reclamando por causa da escassez. O pai muito bravo resolve proíbir as reclamações. Ele então “baixa” uma ordem impedindo os queixumes.
                É claro, meu amigo, minha amiga e senhoras donas de casa, que o silêncio daquele povo todo, não modificará a situação lamentável. A diferença é que as demais pessoas da vizinhança não terão tanta certeza do que realmente se passa naquele lar tão oprimido.
                O homem poderá desfilar então pela vizinhança, assim como Fidel Castro desfilava na União Soviética, passando aquela impressão de que estava tudo muito bom, tudo muito bem. Ora, veja.
                O autoritarismo resiste até onde chega o seu líder totalitário. Acabou-se a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas e logo em seguida Cuba deixou de ter o seu parceiro comercial.
                Agora, na Venezuela surge Hugo Chaves, o homem que deseja acabar com a inflação usando o poderio militar. Será que Fernando Collor de Mello, não conseguiu tal façanha, com semelhante estratégia, por ter somente “uma bala na agulha”?
                Lula segue os caminhos do Chaves, que por sua vez anda por onde andou Fidel. Não será surpresa nenhuma, se daqui uns 50 anos, as gerações futuras vejam o pais do Chaves vivendo  situaçôes semelhantes as de Cuba do Castro.
                É preciso diálogo. Saber ouvir também faz parte da interação. O ditar lá de cima, durante horas, sem ouvir depois as impressões dos ouvintes, pode mais complicar do que ajudar na manutenção do todo.
                O mal do ditador é que ele não suporta opiniões contrárias às suas. Isso seria um desrespeito tamanho que implicaria até em perda de prestígio. Imagine o Lula querendo fazer a transposição do rio São Francisco, e a sociedade toda, por meio dos seus veículos de comunicação social, dizendo que não concorda por não ser certo.
                Então o ditador fechando rádios, televisões, jornais, revistas e blogs, poderia fazer o que quisesse sem ter que ouvir os queixumes impertinentes. Saddam Hussein era assim. Hitler também foi.
                O calar a boca de alguém não compete às pessoas civilizadas.
Fernando Zocca.   
                 
                  
               

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:57


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D