Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


...

por Fernando Zocca, em 25.10.10

O líder comunitário e a rabiola presa

 

                              Quando um líder comunitário tem entre os seus credores um deputado federal, dificilmente poderá repercutir opinião diferente deste, mesmo que totalmente equivocada.

 

                Dentre as confusões que fazem sobre o que seja ou não roubo, esquecem-se de classificar os de maior ou menor potencialidade danosa ao bem comum.

 

                Apesar de o delito estar presente tanto no furto de um panetone, quanto num fardo de dinheiro público, este último produz muito mais malefícios do que o primeiro.

  

                  Quando falamos em panetones não podemos deixar de lembrar os roubos ocorridos no Distrito Federal, em que estiveram envolvidos, dentre outros, o ex-governador José Roberto Arruda, então filiado ao DEM.

 

                Para quem ainda não sabe, DEM é a sigla do partido dos democratas, aqui no Brasil, aliado ao PSDB que por meio de José Serra, disputa a presidência da república.

  

                O PSDB tem afinidades com o partido Republicano dos Estados Unidos e no tempo de FHC, Bill Clinton então presidente daquele país, comprometeu todo mundo a sua volta, quando veio a público o escândalo com a estagiária Mônica Lewinsky.

 

                Poderíamos dizer, sem medo de nos enganarmos, que não haveria crime sem lei anterior que o definisse?

 

               Então, como é que podem estes senhores, afirmar serem delitos, a publicação das fotos de um contador meliante, sua concubina bancária e filha desocupada, flagrados no exato momento em que agrediam, com socos e pontapés, a um pacato cidadão, no corredor de uma lan house?

 

                Como é que podem afirmar ser delito o uso de fotografias, vídeos e textos publicados na internet, se não existe lei anterior que defina tais atos como crime?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:44

Meus óculos

por Fernando Zocca, em 07.04.10

Para dar a mim, que me guiava, a visibilidade traseira, adaptei na armação dos meus óculos dois minúsculos espelhos. Eles iam fixos logo abaixo das hastes que faziam a conexão com as lentes.


Tal invento proporcionava a observação dos pilotos fortemente municiados que no comando dos últimos Messerschmitt, ainda tentavam sustentar aquele fogo já em vias de extinção.


O assédio todo se originara numa quizila que se tornara pendenga jurídica, que por sua vez, descambava agora, para a persecução envolvendo a turma toda daquele suposto credor.


Como nunca havia negado o crédito ao perseguidor, mantinha-me na defesa, até o momento em que as tropas aliadas chegassem, trazendo os reforços com os quais pudesse solver todos os vazios deixados.


Mas vivia momentos insólitos. Em ondas justapostas de ataque, os Stukas eram sucedidos por enxames de ME 109, que saídos assim como que do nada, despejavam as metralhas verbais de munição explosiva.


Por isso tinha que usar toda a imaginação, com que fora agraciado por Deus, na defesa da integridade própria.


Meus amigos, os aliados Alan Brado e Alan Bique deixaram o teatro de operações assim que a coisa começou a esquentar. Não podia queixar-me disso. Deveria respeitar as decisões de quem acreditava que marketing de pobre era simpatia.


Estava em um momento crucial de minha existência. Considerava eficientes os enunciados criados pelos fervorosos defensores da liberdade. Em aliança com minha causa difícil, sustentavam o fogo usando munição poderosa.


Apesar do achaque de alguns chatos de galochas, que afirmavam: "tem nego que só come a moça quando morde aquele chocolate da Nestlé", eu ainda ponderava que às vezes, sofria-se não por ser o trem muito pequeno; mas por ter o túnel muita largura.


Aquela ira italiana que formava meu ser abrandava-se com o passar do tempo. Eu não acreditava naquele marmanjo maledicente que espancava dizendo aos quatro ventos: "subia o preço do pãozinho, subia o preço do gás, só o nosso bimbo não subia mais". Eu achava que pra tudo na vida tinha jeito.


Tratando de botar para fora dos meus armários aquelas flores de plástico sem graça, notas fiscais dos carros com histórias mal contadas, medalhas e tíquetes de passagens aéreas ao Havaí, frangos mumificados, e as big salsichas indigestas de porco, eu concebi que era chegada a hora de mudar o rumo do meu navegar. Eu deveria alcançar o porto que me indicava aquela estrelinha lá no céu. Fundearia ali minha nave. Afinal, meu amigo, a noite da existência vinha chegando.
Eu tinha, então, que me precaver.

 

Publicado originalmente em 09/09/2002

No usinadeletras.com.br

 

Carolina Dieckmann usa óculos de grau

 

Leia O Telescópio

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:10


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D