Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A porca no rancho de pescarias

por Fernando Zocca, em 02.02.20

 

Petúnia pig.png

 

Há alguns anos passados, numa certa ocasião, fomos convidados por alguns colegas, a permanecer uns dias num rancho de pescarias na beira do rio.

Passadas várias horas depois da nossa chegada, numa tarde, apareceu repentinamente um vendedor puxando um carrinho de mão - uma espécie de carroça - sobre a qual havia mandiocas, laranjas e uma porca.

Na verdade o bicho era uma pequena leitoa que, agitada entre as mercadorias do ambulante, dava sinais de que a qualquer momento escapuliria do seu proprietário perdendo-se no emaranhado confuso da vizinhança.

 - O senhor não me faria a gentileza de guardar, por um tempinho, essa minha porca enquanto vou ali atender uma freguesa que comprou de mim essas duas dúzias de laranjas e os dois quilos de mandioca? – perguntou-me o carroceiro velho.

Observando que a bicha não parava quieta, não tinha sossego, concordamos com seu dono trazendo o animal para dentro da casa; logo percebemos que o tal mamífero buscava alimento.

Colocamos então numa vasilha um pouco de café com leite além duns pedaços de pão, servindo desta maneira, a porquinha esfaimada.

O atirar-se com sofreguidão sobre os alimentos e a ingestão atabalhoada nos fez pensar que há muito o pequeno animal não comia.

- Nossa! Ocê viu como ela se "pincho" em cima das coisa? - perguntou Sinhá Chica, a velhinha aposentada presente no local.

De fato a volúpia, a pressa, com que o bichinho botou para dentro o alimento talvez tivessem sido as causas do imediato regurgitamento seguido duma evacuação profusa e mal cheirosa de fezes.

Diante de tanta sujeira, maus odores, e o voejar pertubador das moscas, não tivemos outra ideia do que a de lavar a pequena porca no chuveiro.

Com a mangueirinha e esguichos fortes de água morna os restos de vômito e cocô foram, aos poucos, sendo diluídos.

Limpa dos dejetos, outra melhor sugestão, de que devíamos devolvê-la rapidamente ao seu dono, não nos ocorreu naquele momento.

Depois de uma ou duas horas o carroceiro, ofegante, com a língua grande e grossa pra fora, apareceu.

Nem bem perguntou por seu animal e a porquinha pulou dentro da carriola.

E lá se foram o dono e seu bicho rua abaixo.

Passados alguns dias qual não foi a nossa surpresa ao ver que depois de liberta, completamente asseada, a suína hiperativa voltou à mesma sujidade com que certamente estava habituada e sem a qual nunca se sentiria tão bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D