Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A Ferida

por Fernando Zocca, em 01.06.15

 

- Diante deste quadro, você não pode se queixar se alguém a chamar de "arrombada".
- É grave doutor? - quis saber, num tom choroso, a moça tentando olhar o médico, por cima o lençol que lhe cobria as pernas suspensas e abertas.
- Há lesões no esfíncter... Vasos rompidos... Lacerações no reto. Você terá muita sorte se não houver infecções.
- Nossa... Que tristeza!
- Como aconteceu isso. Foi estupro?
- Não. Eu que deixei. No começo eu disse que não queria, mas ele insistiu muito daí eu permiti.
- Ele foi violento. Machucou bastante.
- Nunca mais eu faço isso.
- Olha, vou usar medicação tópica. Vou receitar anti-inflamatórios e analgésicos. A dieta, durante os próximos 30 dias será de líquidos, sopas, compreendeu?
- Ai que dor. Sim, senhor - respondeu a paciente levantando-se da maca.
Depois de vestida, a moça, sentindo frio, sentou-se delicadamente na cadeira defronte à mesa do doutor aguardando as receitas. Ela usava um lenço de papel para retirar os últimos traços da maquiagem.
Ao sair, passando pela secretária, pagou a consulta, discando logo em seguida, pelo celular, para um taxi.
Defronte ao seu prédio, e ao descer, ela encontrou-se com uma amiga que vinha pela rua.
Meire carregando sacolas plásticas cheias - uma em cada mão - alegrou-se ao perceber a presença da moça, mas achou que ela estava muito magra.
- Luisa, que satisfação em ver você. Há quanto tempo querida... Me dá aqui um abraço.
- Oi Meire. Estou um pouco doente. Acabo de vir do médico.
- O que aconteceu? Gripe?
- Nada, querida. Vamos entrar que eu te conto.
As duas amigas entraram no edifício, passaram pelo porteiro cumprimentando-o, e tomaram o elevador.
Luisa procurou na bolsa as chaves do apartamento, abrindo a porta. Ao entrarem um aroma de incenso que impregnava o ar impressionou Meire.
- Hum... Já vi tudo. Ele esteve aqui?
- Veio no sábado, foi embora ontem. Trouxe vinho, caviar e aquela conversa de sempre.
- Foi aquela maior farra.
- Como sempre. Mas no sábado a noite quis inovar. E eu deixei.
- Inovar? Como assim, querida?
- Ele quis botar atrás, sabe?
- E você deixou, sua tonta?
- Eu já estava grogue. Ele passou vaselina e mandou relaxar.
- E daí?
- Foi bruto.
- O sistema era bruto? - brincou Meire gargalhando.
- Me machucou muito, mas muito mesmo. Não sei se vou poder fazer cocô. O médico mandou tomar só sopa, durante uns 30 dias.
- Bem feito, sua idiota. Onde já se viu deixar entrar por onde tudo sai? Já imaginou enfiar o bico da bomba de gasolina no escapamento dos carros?
- Não ria. Não brinque com a minha dor. Não consigo nem sentar direito.
- Isso é pra você aprender. Mas e daí? Rendeu mais alguma coisa?
- Ele jogou um pacote de dólares no canto do quarto e mandou que eu tirasse o que quisesse.
- E você tirou?
- É claro, lindinha. Como você acha que vou pagar a próxima viagem pro Japão?
- Ainda bem. A dor logo passa. As viagens são inesquecíveis. Vale a pena.
- Foi rendoso, mas não sei se vai durar muito. Ele reclamou, de novo da mulher. Sabe a outra mulher, essa nova, a mais recente? Disse que ela já desconfia de alguma coisa.
- Mas sobre o apartamento não há dúvida nenhuma, né?
- Sobre o apartamento, não. Todo mundo sabe que foi a minha mãe que me deu. Na verdade ele me disse, numa ocasião, que estava com medo dessas operações da polícia federal contra a corrupção. Ele acha que podem pensar que os prêmios que ele dá na TV tem origem nos desvios das verbas e superfaturamentos nas obras públicas.
- Vai ver tem mesmo, né querida?
- Eu também desconfio, mas não quero nem pensar nisso.
- Então está bom. Te cuida, neném. Olha, quando estiver no Japão me manda lembranças tá?
- É claro, querida.
Meire saiu do apartamento e já na rua, sentindo o vento frio no rosto, imaginou quantas feridas anais financiariam viagens pelo mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:10


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D