Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Poder Castrador

por Fernando Zocca, em 12.05.10
O coronelismo no interior do Estado de São Paulo ainda é muito evidente. Ele se manifesta de forma indireta, ao contrário dos regimes ditatoriais tais como os de Cuba ou da China, por exemplo.
  
Nesses países autoritários a proibição da manifestação do pensamento é frontal, direta, dolorosa. Nos rincões do Brasil esse mesmo poder castrador age de forma subreptícia, disfarçada. Quando apontada, geralmente esquivam-se os responsáveis pela opressão, atribuindo à vítima danos mentais, passíveis de tratamento. Nas clínicas dos corruptos detentores eternos do poder é claro.
  
As eleições estão quase às nossas portas e os homens desacostumados com as palavras contrariadoras das suas ideologias, não conseguindo falar no mesmo tom e frequência, usam dos meios escusos para calá-las.
  
Então você pode notar a deterioração dos blogs guerreiros que não se submetem às loucuras de quem acha estar sempre certo. Essa gente no poder aqui, nesta cidade, é uma vergonha para a democracia.
  
São corruptores. Não conseguem agir de outra forma sem arranhar a própria auto-estima. São bandidos. Revestem-se da pompa dos cargos públicos eletivos, arregimentam ares de importância e notoriedade com os quais se afastam das necessidades da população.
  
É gente danosa. Todos os que contrariam os seus interesses não têm muita sorte na vida. Eles não deixam. A quem não os obedece não caberia outra coisa a mais do que a desaprovação popular. Controlando os meios de comunicação social eles formam a opinião pública e quem não professa a mesma cartilha é submetido às vaias da torcida.
  
Essa gente ainda no poder, aqui neste rincão, não deixa de ser o produto restante da mentalidade formada por duas dezenas de anos do militarismo. Das campanhas obsessivas objetivando castrar cães derivam facilmente as ações obscurecedoras das vozes contrárias.
  
Com muita delicadeza, buscam induzir os adversários ao erro, quando então podem exercer sobre ele toda a violência opressora. É um crime o que fazem às ocultas, nas trevas, nos conchavos demoníacos.
  
E assim garantem os espertos a própria boa sorte e fortuna enquanto que mantém lá embaixo, na miséria, todos aqueles que tiveram um pouco de coragem pra dizer que com eles não concordariam, de forma nenhuma.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:24



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D