Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A mulher do amigo dele

por Fernando Zocca, em 02.04.09

Van de Oliveira Grogue estava amando, com loucura, a mulher de um amigo dele.
França, como era conhecido o colega de todas as horas, das festas, dos longos passeios de carro nas noites quentes, e reuniões divertidas, trabalhava na Companhia Tupinambiquence de Força e Luz (CTFL), e nunca imaginaria que o aprazível Van, cortejaria sua esplendorosa Lúcia.
Quando França desconfiaria que suas saídas matinais diárias, rumo ao salão onde trabalhava, facilitariam os encontros amorosos adúlteros de Lúcia e Van?
Mas era o que realmente acontecia. Logo cedo, depois que França aquecia o motor do seu carro velho, já um tanto quanto que desbotado, pelo maltratar do tempo, Lúcia sentia, nas entranhas, a excitação, que a probalidade do surgimento do Grogue lhe causava.
Mal raiava o dia, e após o predomínio do silêncio, originado pelo afastamento do carro antigo do França, surgia assim, como que saído da espreita, o velho Van de Oliveira, buscando a saciação do afeto contido.
Naquele alvorecer de terça-feira, nove de Novembro, Van aproximou-se, desligando o motor do carro, cem metros antes da casa do França. Deixou o automóvel deslizar em relativo silêncio até a pouca distância do portão da amada.
Ele desceu, fechou com cuidado a porta, não acionou o alarme, e caminhou pé-ante-pé em direção da sua alegria, do seu equilíbrio.
A contusão no artelho direito, causada por um bicudo desesperado, dentro da sua grande área, durante a pelada na terça-feira anterior, fazia-o claudicar.
Seguindo instruções de Lúcia, França não passava a chave no portão, sob a alegação de que facilitaria a saída dela para a compra diária do leite da Luiza.
Então, com o coração aos galopes, a respiração contida, Van afastou, com delicadeza extrema, aquele obstáculo que o separava do seu amor proibido.
Fazia tudo lentamente: o abrir o portão, o caminhar no corredor, o tocar na porta semi-aberta da casa, tudo era realizado objetivando não despertar os cães ladradores, a vizinhança abespinhadiça, estorvo inibitório.
Mas naquela manhã, Luíza a filha de Lúcia, nascida de outro relacionamento, chorava emburrada, sobre a máquina de costura.
A menina não atendia aos reclamos da mâe, que lhe pedia para não estragar, com aqueles chutes e palmadas, a Singer vetusta do pai, por ser ela de estimação, lembrança do tempo em que ele fora alfaiate.
A criança chorava, esperneava, demonstrando insubmissão impertinente. Mas Lúcia, contornando a situação, fez com que a menina se acalmasse, vendo logo em seguida, que ela caiu no sono profundo.
Grogue ouvia tudo do lado de fora. Quando sentiu a turbulência, dentro da casa, achou que a ocasião divergia das demais anteriores, caracterizadas pela atmosfera amena.
A menina não poderia vê-lo pois poderia, conversando com o pai, relatar a presença dele, amigão, naquela hora intempestiva do dia.
Quando percebeu que o silêncio predominou, sucedendo a agitação, Grogue tocou de leve a porta, anunciando-se.
Lúcia que já o esperava, apressou-se em escancarar a porta, abraçando-o logo que ele entrou. Ali mesmo na sala, amaram-se com loucura, sôfregos, tensos, tomados pela possibilidade, remota, mas possível, do surgimento repentino do França.
Quando Grogue, depois de vestir com pressa a calça, calçar os sapatos, saia rumo ao corredor ouviu Lúcia pedindo-lhe:
- Van, faz uma música pra mim, pro nosso amor?
Respondendo afirmativamente, com palavras vagas, aquele pedido esquisito, Grogue ao fechar o portão da rua, procurava a resposta para a pegunta latejante que não queria calar: “Quem foi que lhe disse ser eu compositor?”

 

 

 
Fernando Zocca

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:33



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D