Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Barreiras

por Fernando Zocca, em 27.06.09

 

 
 
Ah, mas naquela noite eu queria mesmo era sambar! Desejava provar aquele beijo, na memorável gandaia cíclica desopilante; no pagode deitaria e rolaria. Veria então, meu amigo, a rapaziada toda balançar, sacolejando as forçudas anatomias.
 
Por isso liguei pra Analu reperguntando se ela estava mesmo a fim de maltratar as calosidades; informei-a sobre meu preparo e disposição pra me exaurir na esbórnia. Bocejando e mostrando-se entediada, ela disse que sim, mas que não estava muito nem aí, com a minha preocupação tola sobre as luas crescentes, cheias ou novas. Atribuí, condescendente, o despautério à zonzeira que a dominava por ter dormido até àquela hora.
 
Mas, na manobra com o carro, na garagem do edifício, resvalei sem querer, no Scort branco velho que jazia mortiço e catinguento, naquele canto horripilante. Pensei no seu usuário: um farofeiro esdrúxulo que sonhava em ser síndico do prédio só pra me danar. Marmoteiro! Armava artimanhas com pirilampagem e, açodado, tentava contra a honra alheia espalhando boatos difamatórios. Eu já não entrava mais na padaria sem ouvir o murmúrio, e notar os esgares das moças preventas e corrompidas com mentiras a meu respeito.
 
O trânsito, às dez da noite, naquele sábado, estava tremeluzente. O fluxo rápido indicava que muita gente permanecia em casa, sem dar tanta bola assim pro ar fresco e aquele aroma bom da maresia.

Pensando que não se deve deturpar o bom sentido das coisas boas, encostei ao meio fio meu Pampa idoso. Analu se aboletou ávida pra contar as novidades. Foi logo dizendo que os filhos da vizinha carcamana tiveram a pachorra para ingressar no porão da casa contígua à venda, removerem uns tijolos e, dentro do estabelecimento comercial, comerem quilos e quilos de iguarias, espalhando depois, dejetos à volta. Até seus nomes escreveram nos livros comerciais do vendeiro. No dia seguinte, como não podia deixar de ser, ocorreu um terremoto na comunidade; mas a culpa meu amigo, essa botaram num tonto que morgava flácido pelas redondezas.

Analu, cheia de assunto, "virando rápido a página", contava que o sujeito asmático, morador no andar de baixo, tinha contra si a suspeita de haver matado, quando adolescente, um irmão por asfixia, naquele tempo em que viviam desocupados e desolados em busca do que fazer na vidinha inodora e insípida. A doença seria então, no seu entender, o castigo; convicta, considerava a dispnéia persecutória.

A matraca não me dava trégua. Meus miolos ressequidos já enunciavam sinais de alvoroço; foi quando então ela atirou o derradeiro petardo demolidor dizendo que: "O Célio F. O. Gozo, nosso conhecido, envolvera-se na maior maracutaia sinistra recentemente descoberta na prefeitura de Tupinambicas das Linhas".
 
O surgimento de escândalos públicos inéditos eram tão freqüentes como os capítulos novos das novelas famosas. Que a diafaneidade prodominasse para o bem geral.
 
Sem dar-me chance pra respirar foi logo afirmando que um país também se constrói com homens e sebos. E que as barreiras que eles, os chatos de galochas, invejosos, retardados e conservadores opõem contra a ascensão social de qualquer filho de Deus deveriam ser medidas, calculadas, tocadas e se fosse o caso, demovidas com estimulações prazerosas.
 
Quando encostava o coche defronte ao boteco onde sacudiríamos as caveiras, eis que, de inopino, Analu arremete com firmeza afirmando: "E pode prestar atenção! Bach é Bach, mas os Beatles são os tais".

Boquiaberto, pensei comigo: "E ela, ainda não bebeu nada".
 
 
Fernando Zocca.
 
Publicado em 13/10/2003 no www.usinadeletras.com.br
 
Leia Moderação
http://clubedeautores.com.br

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:35


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D