Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cortiços de Vespas

por Fernando Zocca, em 04.03.11

 

 

                                           Depõem contra o sistema de saúde pública de uma cidade, contra o ensino, a existência de núcleos familiares onde imperam o alcoolismo, o tabagismo, as violências físicas e morais.

 

                            Nesses ninhos de más-influências são gerados crimes, doenças, motins de rua e incivilidade.

 

                            Geralmente formados por componentes frutos de relacionamentos consanguíneos, somam-se a essas personalidades, facetas querelantes, reivindicativas e perseverantes.

 

                            O analfabetismo cria a barreira quase intransponível, que mantém o tal chefe de família, numa situação de litígio incessante. Está vedado a ele o acesso às informações que poderiam socializá-lo, tornando mais humano o ambiente também do entorno.

 

                            À casca do obscurecimento, formada pela ausência de ideias cristãs, somam-se ainda a irritabilidade somática, promovida pela ingestão frequente dos estupefacientes já citados.

 

                            O resultado disso tudo é a agitação constante, a fala automática incansável, estereotipias, com as quais se busca o sofrimento alheio. A certeza dos malefícios provocados no rival traria satisfação. É a prevalência do sentimento de vingança.

 

                            A sociedade teria sua parcela de culpa nesse fenômeno quando, por meio do ensino, não promove o alerta e o imediato esclarecimento das dúvidas quanto as santas diretrizes a serem seguidas.

 

                            Cabem também aos setores responsáveis pela saúde da população de uma cidade, a sua parcela de culpa, quando não desencantam das crendices, os agentes criminosos e suas vítimas.

 

                            A criação de empregos e a construção de moradias dignas contribuiriam de forma bastante decisiva para o aliviamento da enorme tensão que se forma nas casas pequenas, com muitos moradores, verdadeiros cortiços de vespas.

 

                            Para que essa situação ideal ocorra é necessário que a sangria das verbas públicas seja estancada. A corrupção nos municípios além de envergonhar um povo todo, concorre para a criação daquelas situações geradoras desses crimes bárbaros que vemos diariamente pela televisão.

 

                            Então, o enriquecimento ilícito do senhor prefeito, do senhor vereador, do senhor deputado federal, provocaria a escassez das verbas destinadas à melhoria das condições de vida dos cidadãos eleitores.

 

                            Quem já consegue negar que, ainda nos dias de hoje, os ricos ficam cada vez mais ricos, e os pobres cada vez mais pobres?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:31

O Kadaffi Tupinambiquense

por Fernando Zocca, em 03.03.11

 

                                                Tupinambicas das Linhas, não era a Líbia, mas também tinha o seu Muammar Kadaffi. Era o vereador Fuinho Bigodudo, conhecido como Muar Fuinho Bigodudo.

 

                        Da mesma forma que o ditador Líbio insistia em não deixar o poder, mantido com injustiças e violência, o Muar tupinambiquense também se negava a “largar o osso”, mantido com verbas substanciosas, aos comunicadores dependentes da cidade.

 

                        Mas na manhã de domingo, no bar do Maçarico, quando já degustava a cerveja gelada, com a barriga encostada no balcão, Gelino Embrulhano pôde notar a presença espalhafatosa do Omar Dadde que, vestindo bombacha, chapéu de abas largas, botas de cano longo, camisa azul-pavão e um lenço de cetim amarelo, amarrado no pescoço, entrou em cena declamando:

 

                        - Eu vou/Eu vou/Pra casa agora eu vou... – Dadde mal terminou sua mensagem matinal quando foi interrompido por Gelino Embrulhando, que falou ao Maçarico, em alto e bom som:

 

                        - Pronto! Acabou o sossego! O chato acaba de chegar.

 

                         - Mas, olha... Veja quem está aqui. É o sujeito mais mentiroso, enrolado e falso que a cidade já viu – respondeu Osmar Dadde, olhando irônico pro Maçarico.

 

                        E depois ainda, aproveitando o silêncio que se fez, por alguns segundos no botequim, Dadde continuou:

 

                       - Que mané chato, mano?  Parece que não me conhece.

 

                        Gelino Embrulhando respondendo a pergunta defendeu-se:

 

                        - Onde eu estou você logo vem atrás. Parece boiolagem, tesão de argola, qual é a tua, parceiro?

 

                        - O quê? Tesão de argola? Ocê tá louco Embrulhano? Eu sou é muito macho, meu chapa – indignou-se Osmar Dadde. - A cidade é livre, eu também sou. Por isso vou onde quero.

 

                        - A cidade pode ser livre e seus habitantes também – interveio Maçarico interrompendo a conversa entre os dois fregueses. Ele julgou que a rixa poderia descambar para a agressão física e o quebra-quebra.

  

                        - Ouvi um comentário que esse tal vereador Fuinho Bigodudo fez uma lei que proíbe o funcionamento de todos os bares e restaurantes da cidade, depois das 10 da noite. Ele instituiu o famoso toque de recolher.

 

                        - O quê? Ele fez isso? – perguntaram em uníssono os dois contendores.

 

                        - Fez sim. E se não me engano, o projeto de lei está no gabinete do prefeito Jarbas, pra ser aprovado – completou Maçarico, vendo que os birrentos esqueceram as hostilidades por alguns instantes.

 

                        - Isso quer dizer que ninguém mais poderá tomar seus birinaites nos bares, depois das dez horas da noite? – questionou Embrulhano.

 

                        - Mas isso é um absurdo! Vamos iniciar um abaixo assinado pedindo a cassação desse Fuinho. Ô sujeito maldoso! Votar nele é a mesma coisa que adubar erva daninha – proclamou Osmar Dadde brindando com um copo de cerveja que acabara de encher.

 

                        - Vamos depor esse Kadaffi tupinambiquense! – decretou Gelino Embrulhano.

 

                        A partir daquele momento, Maçarico teve a certeza de que o bar e a sua própria integridade física, estariam assegurados.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:12

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D