Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Nada mais do que a obrigação

por Fernando Zocca, em 25.03.09

 

           Ontem numa conversa com um cidadão proveniente de Sorocaba, pude saber que ilustríssimo senhor professor doutor, prefeito de Piracicaba, Barjas Negri (PSDB), liberou para o tráfego, a estrada que margeia o rio Piracicaba, conhecida como estrada do Bongue. 
            Antes de tudo é bom avisar que considero as ações do cidadão eleito, como parte de tudo aquilo que deve ser feito, em virtude do cargo que recebeu do eleitorado.
            O senhor prefeito não fez nada mais do que a sua obrigação ao duplicar aquela estrada. Afinal, o trânsito tanto de caminhantes, como de bicicletas, automóveis e caminhões é bem intenso, em virtude da aglomeração demográfica e urbana que se observa.
            Ainda considero a cidade pouco desenvolvida. Seu comércio não é dos melhores, a indústria bastante limitada e, a cobrança de impostos extremamente altiva.  
            Com o auxílio da imprensa provinciana, os ocupantes da prefeitura alardeiam aos quatro ventos toda e qualquer inauguração, seja de asfaltamento sobre os paralelepípedos, ou sobre a fixação de uma nova ponte de concreto. Repito: a administração municipal não faz nada mais do que lhe obriga a lei.
            Todos sabem que a Câmara Municipal de Piracicaba não tem autonomia. Isto é, o poder legislativo está sob as diretrizes da ideologia professada pelo PSDB, não havendo, portanto, o contraditório que se observa nas democracias saudáveis. Podemos ousar dizer que Piracicaba ainda vive um tempo de “autoritarismo”, mas de forma mais leve, mais branda, mais delicada.
            A cidade elegeu dois deputados, um federal do PSDB e outro estadual, do PPS, mas nem por isso pode a urbe orgulhar-se de pairar sobre suas vizinhas, no ranking das mais desenvolvidas da região.  
            Até mesmo as multinacionais, que há décadas aqui se instalaram, ocupando terrenos doados, e recebendo isenção de impostos, demonstram, no momento atual, fragilidade econômica ao demitirem centenas de trabalhadores.
            Outro fator que ressalta aos olhos dos pagadores de impostos é o atendimento à saúde da população. Uma mísera consulta, numa instituição pública pode consumir horas e horas do tempo do utente, que se perde na forma de espera.
            Já é chegado o momento para que esses que se dizem responsáveis pela cidade, façam alguma coisa a mais do que a mera obrigação.  
             
           
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:48



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D