Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A Primeira Vez

por Fernando Zocca, em 15.05.12

 

A expectativa de uma estreia pode ser angustiante e bastante tensa.

Perceba que os momentos antecedentes de um encontro, com o público, podem ser vivenciados de formas diferentes por seus atores.

Uns mais experienciados veriam, no fato, a rotina a que estariam habituados; outros perceberiam as sensações da novidade, que poderá também tornar-se, com o passar do tempo, em algo rotineiro e bastante comum.

A estreia faz parte das novas portas que se abrem ao universo do viver, das ações, das manifestações, e é claro, da comunicação com o próximo.

O extravasar das emoções, dizendo o que está na alma, expondo as razões, as feridas, as grandes dificuldades, e talvez até, apontando novas soluções, é o que também comporia esse conjunto de atitudes manifestadas para os espectadores atentos.

Isso tudo não deixa de ser um trabalho honroso com o qual o talento pessoal se expressa arejando as barreiras, os bloqueios malfadados, diluindo-os, para o progresso individual e do grupo.

Tem quem ache ser uma dádiva divina, a oportunidade de poder comunicar-se dessa forma. Há quem bendiga eternamente, o fato de possuir a chance de alcançar mais esse degrau na evolução própria.

No final de tudo ver-se-á que, para muitos ou poucos, fez-se a diferença.

Alguma coisa você transmitiu contribuindo, de certa forma, para o benefício, a alegria e também o aperfeiçoamento dos seus semelhantes.  

   

    

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:30

A indistinção entre o que é público e privado

por Fernando Zocca, em 15.09.09

 

O absenteísmo em alguns setores do serviço público é um fato incontestável. Pareado com esse fenômeno, causador da lentidão da máquina burocrática, há também a emissão de atestados médicos que certificam inverdades prejudiciais ao estado.
 
            Como pode o burocrata ausentar-se do serviço e não ter os dias descontados? Um simples mal estar, provocado pela congestão nasal, justificaria o afastamento do servidor por mais de trinta dias?
 
            Claro que o empregador ao pagar os salários no final do mês e, não tendo a contrapartida em forma de produção, deixada de ser entregue pelo funcionário ausente, sofreria o desequilíbrio na relação, que na pior das hipóteses, levaria o órgão prestador de serviços à morosidade.
 
            Por sua vez o responsável pela emissão do documento justificador da falta, ao atestar moléstia inexistente, cometeria o crime de falsidade ideológica, no mínimo.
 
            Até que ponto pode a ausência do responsável, por uma entidade não particular, prejudicar os sujeitos  destinatários da prestação dos serviços públicos?
 
            Se o professor ausenta-se da sua classe por vários dias, alegando a existência de mal estar causado por viroses, atestado fraudulentamente por agente habilitado para tal, não estaria ele – o professor -  na verdade sinalizando, aos seus pares, que seu interesse pelo cargo diluiu-se e que prefere o empreendorismo?
 
            O descontentamento do servidor, com aquela sua atividade pública, pode se revelar também quando contraria alguns costumes como, por exemplo, usar roupas esportivas na repartição, onde comumente se trabalha de paletó e gravata.
 
            A crítica freqüente contra a burocracia pode assinalar a inadaptação, ou o desajuste do servidor às normas regentes das atividades do setor onde ele atua. 
 
            O enfado, os aborrecimentos diários e a ausência de compensações enfraqueceriam o interesse do agente já de longa data, prestando serviços ao estado. Com a apresentação dos atestados médicos, o funcionário se eximiria de comparecer ao trabalho, porém a administração não se livraria de pagar os salários por serviços que não recebeu.
 
            Não é incomum a prática de atividades paralelas, pelo funcionário do estado: um professor pode atuar também como corretor de imóveis, barbeiro ou comerciante. Quando o responsável pelo cargo público atende clientes na sua loja, barbearia, ou imobiliária, nos horários em que não serve ao estado, em tese, não infringiria qualquer dispositivo legal permissivo.
 
            O conflito entre as atividades geraria a necessidade de justificar as ausências com atestados médicos inverídicos.  Então o barbeiro, também funcionário público, que ao atender os fregueses na barbearia, deixando de comparecer à sua repartição,  cometeria um crime gravíssimo ao justificar a ausência, com atestados médicos falsos.
 
            Não seria esse o momento oportuno para o cidadão escolher entre o serviço público e as atividades econômicas particulares?
 
 
O CASTELO DOS ESPÍRITOS
Por R$ 28,98
No http://clubedeautores.com.br
               
           
             

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:30


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D