Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Árvore alta

por Fernando Zocca, em 03.04.16

Neste verão passado, chuvas torrenciais, muita água e vento, durante as tempestades, derrubaram milhares de árvores na capital paulista.

Houve muitos prejuízos materiais, feridos e até mortos. A imprevisibilidade e a negligência podem estar no rol das causas dos tantos males sofridos pelos cidadãos.

Quando a gente vê uma árvore muito grande, bem alta, já envelhecida, com o tronco muita vez circundado por parasitas, pode imaginar que suas raízes já não são as mesmas. Então quando surgem as ventanias elas simplesmente não aguentam vindo ao solo causando a destruição.

Aqui em Piracicaba existem centenas de árvores muito altas, cujas copas espalhando-se pela vizinhança do tronco, acumulam muita água das chuvas tornando o peso praticamente insuportável para as raízes já não tão saudáveis.

Muitas e muitas pessoas diante de um problemão desses liga para o 156 da prefeitura comunicando a possibilidade dos estragos que a situação pode causar.

Mas nem sempre os moradores são atendidos. A posse dos protocolos e mais protocolos, da entidade pública, solicitada a resolver os problemas, não vale nada.

O sujeito perde mais tempo indo atrás das pessoas responsáveis pela solução destes imbróglios do que ganha esperança de resolvê-los.

E quando a canseira é bem maior do que o medo de que a queda da árvore possa danar os automóveis, os telhados, os muros e as casas dos moradores, então não resta nada mais do que rezar pedindo a Deus o livramento das chateações tamanhas.

Apesar de existirem normas reguladoras desse assunto donde emanam enunciados de que quem promover o corte ou a poda da árvore, existente na rua, pode ser apenado com multas pesadas, ainda, mesmo assim, tem quem destrua a planta existente defronte a sua casa.

E como geralmente quem faz isso é muito “esperto”, aos possíveis questionamentos das autoridades, sempre poderá responder que “ela estava podre e morreu”.

Uma técnica observada, com muita frequencia, na ação fatal contra as árvores, é a do anelamento que consiste em tirar a casca do tronco, na altura da raiz.

Passadas algumas semanas depois deste ato vandálico, o vegetal começa a secar. Da mesma forma que o cão, envenenado por uma vizinha maluca, morre aos pouquinhos, sem chance de sobreviver, a árvore inicia também, sem poder se nutrir e respirar, um processo mórbido deixando cair as folhas; seus galhos logo secam inapelavelmente.

Então, da mesma forma que o dono do cão neurótico, louco, que ataca as pessoas nas ruas, ao ser questionado, afirma não ser o proprietário dele, o matador das árvores nega veementemente não ter sido ele o autor da tão condenável atitude.

O mal que habita pessoas assim é o mesmo que leva o deputado federal a receber propina depositando a fortuna no exterior.

Ou seja, não haveria um mínimo de consideração para com as coisas, inclusive as públicas. A perversidade é mais intensa do que o medo das possíveis punições que os tais meliantes possam receber.

Perceba que a alegação do desconhecimento da proibição da prática do ato destruidor da árvore pode, muita vez, encorajar a mentalidade insana a diariamente buscar a degeneração do vegetal plantado na calçada, bem na frente da sua própria casa.

Os “cabeças de burro” de um quarteirão valorizam mais os zumbidos bizorrais que podem produzir suas gargantas do que a estética e a limpeza do lugar onde vivem.

É uma pena que, ainda hoje, os ensinamentos escolares sejam insuficientes para formar personalidades capazes de valorizar mais o todo, o ambiente em que vivem, do que seus direitos de serem loucos irresponsáveis, agressores impunes, daqueles a quem antipatizam.

Mas apesar disso tudo, meu amigo, a gente ainda tem esperança de ver o sujeito que mata as árvores, o cão do vizinho, o padrasto maligno que abusa sexualmente dos enteados, a doidona que sendo portadora de afecção pulmonar, usa teimosamente o tabaco, descontando depois o sofrimento obtido, no inusitado bater violento da porta do barraco, o deputado ladrão esperto, a gente ainda tem, repetimos, a esperança de vê-los receberem o retorno, as consequencias, que merecem.

Colhe-se o que se planta.

                                        

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:24

Nem ligue

por Fernando Zocca, em 28.08.13

 

Você já percebeu quanta verdade existe na frase "Só o amor constrói"?


Construção se faz para que haja o desenvolvimento das pessoas, das famílias, da sociedade e das nações.


Acontece que, em certas situações, para que haja o pleno progresso e desenvolvimento, é necessário a ocorrência das demolições.


Às vezes, os planos maiores não podem ser executados se não houver a coragem para demolir o que não está bem feito ou o que poderia prejudicar ainda mais se continuasse do jeito que estava.


O desabamento de um imóvel de dois andares, ocorrido ontem em São Paulo é uma prova disso.


Alguns trabalhadores já haviam alertado aos responsáveis pela obra, de que a construção, que estava na fase final, apresentava sinais de colapsamento.


Isto é, alguns pedreiros identificaram sinais de que os trabalhos não terminariam bem.


Com um pouco mais de bom senso, zelo, cuidado e respeito, os engenheiros e encarregados poderiam então interromper os serviços, para pelo menos, certificarem-se da veracidade das suspeitas.


Com alguma coragem a mais, tomariam a decisão de por tudo abaixo.


Se a interrupção dos trabalhos e a demolição tivessem ocorrido, não haveria a desgraça que houve e as famílias envolvidas não chorariam, como agora choram, as mortes dos seus entes queridos.


Portanto podemos concluir que, às vezes é bastante necessário, demolir as velhas estruturas, ou até mesmo as novas, que não demonstram segurança, para que os danos maiores não venham a ocorrer.


Perceba que um dos erros pode estar na combinação dos materiais. Não se pode utilizar elementos considerados de qualidade inferior para a formação de estruturas importantes.


A perícia constatou que na argamassa e concreto do prédio Palace II, que desabou no Rio de Janeiro, havia areia do mar. Ou seja, o material era impróprio para os fins que os construtores desejavam.


Além do barateamento do custo das obras, o que mais poderia indicar essa combinação equivocada de material, do que a negligência?


Sabe aquela velha forma de pensar "Ah, isso não dá em nada" ou "É assim mesmo, nem ligue" indicativa da negligência? Pois ela, com certeza, é também responsável pelas tragédias que poderiam ser evitadas.


Há quem afirme que esse tipo de mentalidade é consequência da impotência para a solução dos problemas. E o "nem ligue" conclusivo seria o reconhecimento de que não se pode mesmo fazer nada e que não seria má ideia deixar de lado as preocupações indo, na boa, tomar uma cerveja no bar da esquina.


Como punir os responsáveis?


Nada melhor do que as sanções pecuniárias para, em substituição das notas zero, das provas de cálculos estruturais, fazer ver aos responsáveis, que eles foram vergonhosamente reprovados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D