Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


As mágicas do PSDB

por Fernando Zocca, em 17.03.16

 

 

 

 

Não é porque o sujeito ocupa um cargo no judiciário que ele estaria acima da lei. Ou seja, por ser juiz de direito pode ele divulgar publicamente resultados obtidos com os crimes de violação de privacidade?

O PSDB tem como costume, principalmente em Piracicaba, usar de mágicas. São engodos que permitem obscurecer os fatos administrativos tornando o povo alheio aos acontecimentos.

O parido usa práticas antigas de roubo de informações do mesmo tipo daquelas que transtornaram o pontificado de Bento XVI.

Este partido não é santo e nunca foi. Tem tendências fascistas e usa principalmente da covardia para manter-se onde está até hoje.

Esta política corrupta, maldita, empregada hoje aqui em Piracicaba mantém-se já por longos anos; apesar das inúmeras condenações exaradas pelos Tribunais de Contas sempre safa-se com as aprovações delas pela câmara municipal.

É esta mesma câmara que comete as maiores insanidades contra a população da cidade ao ratificar os aumentos equivocados, doidos, do serviço municipal de águas e esgoto.

Essa estratégia de transferir ao povo da cidade uma suposta punição que o partido julga ser aplicável aos seus adversários políticos é que não deixa de garantir a tamanha burrice norteadora das ações políticas dos tais penosos emplumados.

Querem estas manobras lançar o povo contra atitudes que por ventura possam ser atribuídas aos que os contradizem.

É lamentável que a bancada do PSDB na câmara municipal se negue a reconhecer que legisla contra o povo quando rejeita moções de repúdio e instalação de CPI para investigar as causas, os motivos, que levaram a autarquia municipal Serviço Municipal de Águas e Esgoto (SEMAE) a aumentarem os preços cobrados pelo consumo da água.

Com os mesmos passes de mágica que levaram ao engavetamento das investigações contra Barjas Negri no escândalo conhecido como Sanguessugas que superfaturou os preços das ambulâncias no ministério da saúde no tempo de FHC, promove agora o PSDB a escuta telefônica, viola a privacidade da presidenta da república e ainda divulga publicamente os delitos que comete. Supostos crimes não podem justificar outros.

Enquanto o eleitor vê e revê a construção de pontes, passarelas, asfaltamento das ruas já asfaltadas, construções suntuosas de prédios públicos percebe também que empobreceu e muito. O cidadão que poderia obter melhores atendimentos nos postos de saúde, nas repartições da administração, nas delegacias de polícia, nas escolas, não os têm por não serem estas as prioridades dos atuais governantes.

Esta mesmice tucana prioriza mais aos empresários, minimiza o sofrimento da população e não se preocupa muito com os possíveis flagrantes em que possa incorrer nos ilícitos licitatórios.

As mágicas administrativas tucanas são feitas de forma que não haja transparência. Querem, no entanto, os bicudos emplumados que por meios condenáveis transpareça até mesmo o mais íntimo momento dos seus adversários políticos.

Falta de respeito não se resolve com a violação de privacidade. O juiz Sérgio Moro deve ser responsabilizado pela divulgação dos resultados dos fuxicos obtidos de forma ilegal.

Fofocas de palácio, de repartição pública, de cartório, de fórum, de gabinete, de sala de audiências são condenáveis. Ainda mais quando com o objetivo de causarem danos morais são divulgadas pela imprensa. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:35

Inteligência Emocional

por Fernando Zocca, em 05.05.15

 

O governador do Paraná Beto Richa agrediu violentamente, por meio da polícia militar, a classe dos professores do seu estado.
Esse ato de selvageria, pode ser interpretado como dificuldade para resolver os seus problemas, sem o uso da pancada.
Sem dúvida a ausência da facilidade para se adaptar às novas situações contribuiram para que o "cabra macho" resolvesse a pendenga com a categoria dos mestres, na bordoada e tiros de balas de borracha.
Talvez até o espanto, e a admiração que ele esperava obter do seu grupo, pudesse ter feito com que ele se deixasse levar pelo impulso agressivo.
E não tinha ninguém, ao seu lado, naquele momento crítico, que lhe dissesse: "Olha, seu Beto, o senhor está errado, não pode agredir assim essas pessoas. Afinal, elas também ajudaram e ajudam a manter a sua situação de conforto. Que coisa mais feia, seu menino, sair assim dando pancada nos outros, no meio da rua. Onde já se viu isso?"
Há quem afirme que o agressor tem sérios problemas mentais. Inteligência emocional é que ele não teria mesmo.
Talvez o medo do olho no olho, tivesse contribuído também na exacerbação da ansiedade que a possibilidade do diálogo se apresentava naqueles momentos conturbados.
Bater nas pessoas, no meio da rua, seja por qualquer motivo, indica indigência de compreensão. A miséria do sujeito é revelada quando ele foge da conversa, esconde-se nas trevas, e procura de lá, controlar aqueles que o sustentam.
Tem gente mais afoita dizendo que "o cara desceu o cacete pra fazer bonito pras negas dele".
Coisa de louco, seu Beto.
Essa derrapada indica erro na escolha dos meios para resolver os problemas.
Já viu aquele cidadão que, pra "sustentar os três filhos", resolve não se importar se o maquinário instalado por ele na parede, está arruinando a casa do vizinho?
Em que parte do mundo o cidadão, ou o governador de Estado, podem fazer algo em benefício próprio, ou dos seus, causando danos à outrem?
Então é justa a licitação que privilegia a empresa que, por sua vêz, contratará todas as outras demais concorrentes - fazendo uma terceirização -, para a construção dos trens e metrôs?
Esses fins - trens e metrôs - justificam os tais meios - fraudes e formação de cartel?
No jogo político, pancada não vale. E muito menos terceirização (na verdade panos quentes) justificadora das fraudes.
A imperfeição das leis geram imperfeições e injustiças. E estas, meu amigo, resultam em sofrimento, miséria e morte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:37

Cardume de piranhas

por Fernando Zocca, em 14.05.14

 

 

 

 

Você já imaginou o quão poderosa seria a força resultante da união entre os presidiários petistas, cumpridores das penas a eles impostas, e os corruptos tucanos, envolvidos nas fraudes licitatórias dos metôs e trens?

 

Há quem afirme que, a exemplo do que acontece ao boi, atacado por um cardume de piranhas, não restaria da entidade pública, onde eles atuariam, nada mais do que os destroços das estruturas.

 

Mas afinal o que existe em comum entre os componentes dos dois grupos?

 

Um dos fatores é a consciência da existência das riquezas a serem acrescidas aos seus patrimônios particulares. Outro elemento comum é a crença de que a impunidade superaria qualquer flagrante ou execração pública que pudesse haver.

 

E, certamente, a ocupação dos cargos públicos proporcionaria a chance de por em prática o vetusto ditado "a ocasião faz o ladrão".

 

Eu já disse várias vezes, neste vosso blog mais querido, que o ladrão vale-se tanto das pequenas, quanto das grandes coisas.

 

Assim, aquele ladrãozinho principiante pode satisfazer-se subtraindo para si textos copiados da Internet e publicados depois em seu nome.

 

O ladrão mais escolado pode levar na conversa famílias inteiras, deixando-as na penúria extrema, ao desviar para si ou para outros, os bens de uma herança. 

 

Você sabe que esse - o furto - é um jeito existente, capaz de  acrescer às suas, as coisas que não deveriam ser. É uma forma antiga de enriquecimento ilícito.

 

Por falar em enriquecimento, não podemos deixar de lembrar dos nossos queridos vereadores. 

 

Eles não fazem nada, praticamente nada, além de nomear ruas, loteamentos, e passar horas e horas discutindo coisas que qualquer cidadão comum faz, e de graça, nos assentos das praças.

 

A diferença entre os nossos edis e o povo, que conversa nas praças, é o salário. 

 

Não digo que os votos recebidos sejam diferenciadores porque não se pode duvidar da possibilidade da compra deles. A negociação feita com o pessoal capaz de aumentar ou diminuir - na apuração - o número dos votos, de qualquer candidato, pode gerar uma vida pública bem longa.

 

Nós temos aqui na cidade pessoas que vivem dos salários pagos pelo povo há mais de 20, 30 anos.

 

Quando comparamos o vereador a um operário da indústria percebemos que durante um ano o trabalhador pruduziu - por exemplo - 436 bicicletas, em troca de um ou dois salários mínimos mensais. 

 

Já o nosso homem público esperto não fez nada além de reunir-se, uma ou duas vezes por semana, no plenário da câmara municipal, para discutir assuntos de somenos importância, ou outorgar afagos públicos, recebendo em troca quase R$15 mil mensais. 

 

Mas o meu querido e inteligente leitor poderia perguntar: se é assim por que então o operário não se candidata aos cargos eletivos?

 

Ora porque, pra entrar nessa "panela", o sujeito tem de ter o caráter suscetível às desonestidades. Se não o tiver, que pelo menos, não impeça os despojamentos feitos pelos circundantes, quando a ocasião for propícia. 

 

Você sabe: muita gente boa morreu ao tentar "dedurar", impedir ou negar-se a participar das sem-vergonhices. 

 

Por isso meu amigo, se você é petista, tucano ou componente de qualquer outra entidade, apta a disputar as próximas eleições, saiba que o pessoal desse vosso blog quer estar alheio, bem alheio, a essa patifaria toda. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:09


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D