Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cargos e salários

por Fernando Zocca, em 05.04.15

 

 

 

Já contei pra você sobre os sofrimentos pelos quais passam as pessoas necessitadas de atendimento odontológico, oferecido pelo poder público, em Piracicaba.
Considero ser indispensável recontar esta verdadeira via-crúcis; quem sabe surgem algumas ideias alternativas facilitando, deste modo, a peregrinação do carente.
A todos os que acham ser esta questão, parte daquelas atribuíveis aos vereadores, não discordo, mas não deixa de ser verdade também, que os interessados, mais do que ninguém, teriam maiores percepções do problema, em função de vivê-los plenamente.
Para ser atendido pelo serviço municipal de saúde, o cidadão precisa apresentar-se no posto de saúde do seu bairro. Ele deve levar o RG, o CIC e o comprovante do endereço.
O cidadão será cadastrado e, logo em seguida, munido de um comprovante deste seu fichamento, deverá comparecer ao Poupa Tempo gerido pela prefeitura. O tal serviço é prestado na instalação situada na Avenida Armando de Salles Oliveira, esquina com a D. Pedro II.
Neste local o eleitor receberá um cartão que o qualifica a ser atendido, às expensas do SUS, em qualquer lugar do Brasil.
Bom, depois de ter a posse deste bendito cartãozinho, o carente deverá voltar ao posto de saúde (lá do bairro dele), onde lhe será marcada uma consulta com o clínico geral.
O prazo para a entrevista, com o médico, pode não passar de 30 dias.
Depois de constatada - pelo generalista - a real necessidade da atenção do especialista, seja ele dentista ou oftalmologista, começa o início do tempo de espera do dia da consulta com eles.
Segundo alguns funcionários, o aguardo pelo atendimento do setor de próteses dentárias, não deixa de ser menor do que 6 meses.
Já afirmei em outras ocasiões que, longe de mim, desejar a supressão de cargos ou empregos, mas a passagem pelo clínico geral poderia ser suprimida.
Ou então que o atendimento feito por este profissional ocorresse logo que o cidadão chegasse ao posto do bairro.
Em não sendo essa alternativa possível haveria a possibilidade do poder municipal contratar mais médicos.
O governo federal, neste sentido, tem feito a sua parte. Primeiro contratando médicos cubanos, depois, especialmente atendendo Piracicaba, instituindo a faculdade de medicina.
Portanto caberia agora, aos senhores vereadores, as providências necessárias para a criação, por meio das leis, dos cargos a serem ocupados pelos profissionais comprometidos antes de tudo, com o bem estar da população.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:08



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D