Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Ferida

por Fernando Zocca, em 01.06.15

 

- Diante deste quadro, você não pode se queixar se alguém a chamar de "arrombada".
- É grave doutor? - quis saber, num tom choroso, a moça tentando olhar o médico, por cima o lençol que lhe cobria as pernas suspensas e abertas.
- Há lesões no esfíncter... Vasos rompidos... Lacerações no reto. Você terá muita sorte se não houver infecções.
- Nossa... Que tristeza!
- Como aconteceu isso. Foi estupro?
- Não. Eu que deixei. No começo eu disse que não queria, mas ele insistiu muito daí eu permiti.
- Ele foi violento. Machucou bastante.
- Nunca mais eu faço isso.
- Olha, vou usar medicação tópica. Vou receitar anti-inflamatórios e analgésicos. A dieta, durante os próximos 30 dias será de líquidos, sopas, compreendeu?
- Ai que dor. Sim, senhor - respondeu a paciente levantando-se da maca.
Depois de vestida, a moça, sentindo frio, sentou-se delicadamente na cadeira defronte à mesa do doutor aguardando as receitas. Ela usava um lenço de papel para retirar os últimos traços da maquiagem.
Ao sair, passando pela secretária, pagou a consulta, discando logo em seguida, pelo celular, para um taxi.
Defronte ao seu prédio, e ao descer, ela encontrou-se com uma amiga que vinha pela rua.
Meire carregando sacolas plásticas cheias - uma em cada mão - alegrou-se ao perceber a presença da moça, mas achou que ela estava muito magra.
- Luisa, que satisfação em ver você. Há quanto tempo querida... Me dá aqui um abraço.
- Oi Meire. Estou um pouco doente. Acabo de vir do médico.
- O que aconteceu? Gripe?
- Nada, querida. Vamos entrar que eu te conto.
As duas amigas entraram no edifício, passaram pelo porteiro cumprimentando-o, e tomaram o elevador.
Luisa procurou na bolsa as chaves do apartamento, abrindo a porta. Ao entrarem um aroma de incenso que impregnava o ar impressionou Meire.
- Hum... Já vi tudo. Ele esteve aqui?
- Veio no sábado, foi embora ontem. Trouxe vinho, caviar e aquela conversa de sempre.
- Foi aquela maior farra.
- Como sempre. Mas no sábado a noite quis inovar. E eu deixei.
- Inovar? Como assim, querida?
- Ele quis botar atrás, sabe?
- E você deixou, sua tonta?
- Eu já estava grogue. Ele passou vaselina e mandou relaxar.
- E daí?
- Foi bruto.
- O sistema era bruto? - brincou Meire gargalhando.
- Me machucou muito, mas muito mesmo. Não sei se vou poder fazer cocô. O médico mandou tomar só sopa, durante uns 30 dias.
- Bem feito, sua idiota. Onde já se viu deixar entrar por onde tudo sai? Já imaginou enfiar o bico da bomba de gasolina no escapamento dos carros?
- Não ria. Não brinque com a minha dor. Não consigo nem sentar direito.
- Isso é pra você aprender. Mas e daí? Rendeu mais alguma coisa?
- Ele jogou um pacote de dólares no canto do quarto e mandou que eu tirasse o que quisesse.
- E você tirou?
- É claro, lindinha. Como você acha que vou pagar a próxima viagem pro Japão?
- Ainda bem. A dor logo passa. As viagens são inesquecíveis. Vale a pena.
- Foi rendoso, mas não sei se vai durar muito. Ele reclamou, de novo da mulher. Sabe a outra mulher, essa nova, a mais recente? Disse que ela já desconfia de alguma coisa.
- Mas sobre o apartamento não há dúvida nenhuma, né?
- Sobre o apartamento, não. Todo mundo sabe que foi a minha mãe que me deu. Na verdade ele me disse, numa ocasião, que estava com medo dessas operações da polícia federal contra a corrupção. Ele acha que podem pensar que os prêmios que ele dá na TV tem origem nos desvios das verbas e superfaturamentos nas obras públicas.
- Vai ver tem mesmo, né querida?
- Eu também desconfio, mas não quero nem pensar nisso.
- Então está bom. Te cuida, neném. Olha, quando estiver no Japão me manda lembranças tá?
- É claro, querida.
Meire saiu do apartamento e já na rua, sentindo o vento frio no rosto, imaginou quantas feridas anais financiariam viagens pelo mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:10



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D