Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ronco não é sororoca

por Fernando Zocca, em 30.05.15

 

É certo que o empoderamento das pessoas mais humildes seja necessário para o progresso de um bairro, de uma cidade, do estado e do país.
Entretanto é preciso saber se o tal empoderado se comportará de forma construtiva com os benefícios que lhe foram acrescentados.
Por exemplo: a comunidade pode tirar da rua uma catadora de lixo, favorecendo-lhe o estabelecer-se como prestadora de serviços.
Então, para quem puxava carroça, a nova atividade de manicure e pedicure significa substancial mudança, tanto funcional, quanto financeira na vida da empoderada.
Contudo faz-se necessário observar se nesse seu novo emprego ela age corretamente, conforme os usos, costumes e as regras norteadoras da profissão.
Como as pessoas são conhecidas pelo que fazem e falam, logo todos da comunidade saberão se a promovida tem ou não suficiente treinamento para continuar a fazer o que faz.
Se a manicure - por exemplo - atropela a regra de esterilizar o equipamento usado no ofício, provocando com isso, danos físicos àqueles do seu entorno, então o puxar carroça pelas ruas da cidade pode ser menos doloroso e muito mais útil.
A pessoa precisa, no mínimo, ter a noção do que o que faz é certo ou errado. Se a tal, além de infeccionar os dedos das clientes, achar que a culpa é delas mesmo - das tomadoras dos serviços - então, meu amigo, é preciso seríssima revisão no script da personalidade da figura.
A comunidade empodera alguém para receber de volta algo mais positivo. De que vale empregar tanto tempo e dinheiro num projeto que se mostra inócuo para a sociedade?
Você elege um vereador, mas durante a gestão inteira dele, percebe que o camarada não disse uma única palavra nas sessões; o sujeito não fez discurso nenhum, não participou dos debates, não requereu apartes, não manifestou-se nas questões polêmicas e muito menos esteve presente quando necessário.
De que vale esse mandato? O que ganhou a cidade com as ações do eleito?
Ou seja, a sociedade é mais útil para ele, do que ele, para a sociedade.
Considero o sistema educacional mais eficiente aquele em que, quando um aluno não se dava bem nas provas, deveria refazer o estudo das matérias que não aprendeu.
A reprovação nos exames indicava que o discente não estava apto a seguir adiante. Para exercer qualquer profissão é preciso saber pra que serve isso ou aquilo, distinguir uma coisa de outra, entre ronco e sororoca, por exemplo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:44

Coxinhas

por Fernando Zocca, em 20.05.15

 

 

 

A época de eleição se aproxima e os políticos profissionais já se mexem no sentido de promover seus candidatos.
São apresentados, invariavelmente, como os "salvadores da pátria", solucionadores dos problemas das comunidades e derradeiros amenizadores de todas as dores dos pagadores de impostos.
Desta forma, "a sujeira" que saia do caminho; "os marajás" que se cuidem; os doentes, carentes de hospital, que tenham suas esperanças renovadas; as "vítimas" dos "bandidos" inclementes, que se alegrem, eis que todos os seus problemas certamente se acabarão com a merecida prisão deles.
De um lado os coxinhas, contrariadíssimos com as sucessivas derrotas no âmbito federal, buscam esconder a verdade sobre as irregularidades nos metrôs e trens de S. Paulo e Brasilia.
Do outro as forças progressistas que, diante da calamidade pública na área da saúde, precisaram contratar médicos cubanos para suprir a defasagem desses profissionais no Brasil.
Coxinhas não admitem, de jeito nenhum, a popularização do ensino da medicina no Brasil. A manutenção deste privilégio injusto resulta nisso que vemos em todo o território nacional: atendimento precário nas redes públicas.
A oposição derrotada, ao invés de colaborar com as boas intenções do governo, busca sem trégua, obstar as ações governativas.
E se tivesse no poder? Não faria a oposição o que faz agora o governo legítimo?
O desconforto da derrota torna os coxinhas buliçosos, inquietos, sedentos de satisfação.
Dizem os especialistas que a ausência de ocupação, a sobra de tempo ocioso e a carência de objetivos, produzem tais comportamentos conturbados. Cortar cana, roçar terrenos baldios, ninguém quer!!!
Hoje à tarde fui ao posto de saúde da Vila Independência buscando tomar a vacina contra a gripe. O salão de espera estava lotado. O semblante das pessoas era de desânimo, desgosto, desprazer.
No Brasil inteiro há a campanha objetivando o combate à gripe com o uso das vacinas. Mas infelizmente no posto de Saúde da Vila Independência, os cidadãos precisarão esperar, não se sabe o quê, para serem atendidos com essa medida saneadora.
Já vou avisando: não sou candidato a cargo eletivo nenhum; e gostaria de não comparecer, dessa forma obrigatória, às urnas.
Que a tal reforma política possa abolir a presença forçosa diante das cabines de votação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:36

Maturidade

por Fernando Zocca, em 09.05.15

 

 

 

 

O filósofo alemão Karl Marx (1818-1883) opondo-se a todas as ideias capitalistas, escreveu em 1867 "O Capital" em que, desenvolvendo os conceitos do mais-valia, lutas de classe, materialismo histórico, materialismo dialético, propunha um novo sistema de produção e propriedade.
Seus ensinamentos foram estudados, discutidos e difundidos pelo mundo todo até que, por movimento revolucionário, em 1917, instalou-se na Russia.
O comunismo, com sua forma de produção, competindo diretamente com a ideologia capitalista, expressa especiamente na obra "A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo", de Max Weber, passou então a angariar adéptos e a atemorizar.
Na Alemanha, na década de 1930, a situação econômica e política favorecia amplamente a implantação do ideário econômico proposto por Karl Marx.
Buscando impedir essa objetivação, as forças políticas da época, fazem ascender ao poder, o nacional socialismo tido como "predador" ideológico, e remédio anti-comunista mais eficiente.
No princípio do seu governo, Hitler firma um pacto de não agressão com a União Soviética. Mas no decorrer da II Guerra, intempestivamente resolve atacá-la cercando por três anos (8 de Setembro de 1941 - 27 de Janeiro de 1944) Leningrado.
Apesar das perdas, a União Soviética consegue livrar-se da ameaça nazista, iniciando então a derrocada do que seria o III Reich.
Quando o governo alemão percebe o fim que se aproxima, resolve eliminar os judeus histórica e culturalmente constituídos nos preceitos capitalistas.
Em sendo a filosofia econômica judaica e comunista completamente opostas, houve quem imaginasse que, com a eliminação dos judeus, haveria, por parte dos nazistas, a sinalização aos soviéticos, de um possível reatamento, daquele pacto de não agressão, violado.
Contudo os soviéticos avançam e conseguem chegar primeiro que os norte-americanos em Berlim. Testemunham a morte de Hitler e a dissolução do nazismo.
Com o fim da guerra Berlim é dividida, por um muro, tendo de um lado a ideologia capitalista imperante e do outro o ideário comunista.
Inicia-se assim a chamada Guerra Fria entre as potências ocidentais capitalistas, representadas pelos Estados Unidos, e as comunistas, representadas pela União Soviética.
A chamada "briga", na verdade uma disputa, entre essas potências, pela disseminação dos seus ideários filosóficos-econômicos prospera, pelo mundo todo.
Na América do Sul, não foi diferente. Em 1959 os comunistas, por meio de Fidel Castro, usando a força, instala o comunismo na ilha.
Em contrapartida, todas as democracias sul-americanas testemunharam revoluções onde militares pró-norte-americanos assumem o poder.
No Brasil em 31 de março de 1964, fechando o congresso nacional, exilando Jango Goulart, prendendo e arrebentando, os militares iniciam um período conhecido como "anos de chumbo".
Nesse tempo muita gente foi torturada, morta, desapareceu; censurou-se o teatro, a televisão, os jornais e as rádios.
Gradativamente, depois de 21 anos, houve a retomada democrática. No princípio as forças mais identificadas com o patronato, latifundiários e grandes empresários, administraram o Brasil.
Logo em seguida os trabalhadores tiveram a sua vez. Em três gestões completas os operários conduziram a nação.
Em meio a tumultos provocados pelas descobertas da corrupção de longa data, a democracia brasileira é posta agora à prova.
Só a solução legal desse imenso problema demonstrará a maturidade da nação.
Assista ao vídeo acima e tenha uma ligeira noção de como foram os tempos ditatoriais.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:40

Pulando em cima

por Fernando Zocca, em 07.05.15

 

Um bafafá imenso formou-se na sessão ordinária da Câmara dos Deputados, em Brasília, nesta última quarta-feira (6/5).
O deputado federal Roberto Freire (PPS) discutia com Orlando Silva (PCdoB) sobre as medidas provisórias do ajuste fiscal, quando houve a intromissão de Jandira Feghali (PCdoB).
Roberto Freire então, tocando-a no braço, afastou-a do local onde debatia com Orlando Silva.
A deputada Jandira, sentindo-se agredida, indignando-se, puxou um coro, composto por mulheres, que entoava: "Violência contra a mulher, não é o Brasil que a gente quer".
Em seguida o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) tomando o microfone afirmou: "Mulher que participa da política e bate como homem, tem que apanhar como homem também".
Virgem Santa!!!! Desse momento em diante, era só ameaça de processo e pedidos de abertura de procedimentos, dentro e fora da Câmara, que voava por todos os lados.
Comentei esse acontecimento com uma pessoa e ela me respondeu dizendo isso:
"Tem mais é que bater mesmo. Imagine você se duas vigaristas se reúnem debaixo da janela do seu quarto e, de propósito, diariamente, durante semanas a fio, te provocam insolentemente. O que é que você faz? Vai chamar a polícia? No mínimo você deve sair e conversar com as mulheres.
Agora, se você for atacado com tapas e xingado, não vai reagir, só porque é mulher? Pula em cima, amigo!"
Fiquei pensando se é válida ou não a noção de que mulher de nível educacional/cultural inferior, insuficiente para contê-la, quando ingressa num círculo economicamente mais vantajoso que o seu, e persevera nos erros, merece ou não, maior severidade no trato.
No final concluí que sim. Aquele meu confidente comparou a situação das provocadoras debaixo da janela, àquela em que um cidadão é atacado, no meio da rua, por um cão cujo dono o deixa, por dias e noites, defronte a sua casa.
Então, a vítima não vai se defender chutando ou jogando pedras no bicho agressor, só porque é um cachorro, e tem lei que condena os maus tratos aos animais?
Ou os intrometidos, enxeridos e agressivos moradores de um quarteirão, podem fazer o que querem, atacando as pessoas, destruindo a propriedade alheia, e não devem depois, receber as penas da lei, só por dizerem ser deficientes mentais?
Ou os menores de 16 anos não podem ser incriminados por não terem a capacidade de entender os descalabros que cometem?
A cada um segundo as suas obras, meu amigo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:28

Inteligência Emocional

por Fernando Zocca, em 05.05.15

 

O governador do Paraná Beto Richa agrediu violentamente, por meio da polícia militar, a classe dos professores do seu estado.
Esse ato de selvageria, pode ser interpretado como dificuldade para resolver os seus problemas, sem o uso da pancada.
Sem dúvida a ausência da facilidade para se adaptar às novas situações contribuiram para que o "cabra macho" resolvesse a pendenga com a categoria dos mestres, na bordoada e tiros de balas de borracha.
Talvez até o espanto, e a admiração que ele esperava obter do seu grupo, pudesse ter feito com que ele se deixasse levar pelo impulso agressivo.
E não tinha ninguém, ao seu lado, naquele momento crítico, que lhe dissesse: "Olha, seu Beto, o senhor está errado, não pode agredir assim essas pessoas. Afinal, elas também ajudaram e ajudam a manter a sua situação de conforto. Que coisa mais feia, seu menino, sair assim dando pancada nos outros, no meio da rua. Onde já se viu isso?"
Há quem afirme que o agressor tem sérios problemas mentais. Inteligência emocional é que ele não teria mesmo.
Talvez o medo do olho no olho, tivesse contribuído também na exacerbação da ansiedade que a possibilidade do diálogo se apresentava naqueles momentos conturbados.
Bater nas pessoas, no meio da rua, seja por qualquer motivo, indica indigência de compreensão. A miséria do sujeito é revelada quando ele foge da conversa, esconde-se nas trevas, e procura de lá, controlar aqueles que o sustentam.
Tem gente mais afoita dizendo que "o cara desceu o cacete pra fazer bonito pras negas dele".
Coisa de louco, seu Beto.
Essa derrapada indica erro na escolha dos meios para resolver os problemas.
Já viu aquele cidadão que, pra "sustentar os três filhos", resolve não se importar se o maquinário instalado por ele na parede, está arruinando a casa do vizinho?
Em que parte do mundo o cidadão, ou o governador de Estado, podem fazer algo em benefício próprio, ou dos seus, causando danos à outrem?
Então é justa a licitação que privilegia a empresa que, por sua vêz, contratará todas as outras demais concorrentes - fazendo uma terceirização -, para a construção dos trens e metrôs?
Esses fins - trens e metrôs - justificam os tais meios - fraudes e formação de cartel?
No jogo político, pancada não vale. E muito menos terceirização (na verdade panos quentes) justificadora das fraudes.
A imperfeição das leis geram imperfeições e injustiças. E estas, meu amigo, resultam em sofrimento, miséria e morte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:37

O prefeito mágico

por Fernando Zocca, em 04.05.15

 

Telégrafo.png

 

No final da década de 1960 havia uma agência dos correios na esquina das Ruas Alferes José Caetano e 13 de Maio.
Nela trabalhava um funcionário responsável pelo telégrafo. Atrás de um guichê ele ouvia as palavras das mensagens que o remetente desejava transmitir, e manipulando o equipamento, as transmitia até a agência da localidade onde morava o destinatário.
Por volta de 1837 as comunicações por esse meio só eram possíveis graças às conexões dos pontos distantes, por fios e cabos. Mas depois do aparecimento do telégrafo sem fios houve a abolição dessa forma inicial, digamos, mais concreta.
Numa ocasião eu estava passando defronte aquela agência quando uma senhora, já bem idosa, me abordou pedindo que eu escrevesse, numa folha, as palavras que ela ditaria.
A mulher queria comunicar-se com uma parente distante e tinha ido àquele local dos correios para tal fim.
Acontece que o funcionário mandou ela escrever a mensagem num papel, que ele então a transmitiria, usando o código morse, pelo telégrafo.
Mas como ela tinha dificuldades com as palavras escritas, pediu logo pra mim, o primeiro que passava na sua frente, que as escrevesse.
Então ela começou a falar e eu a garatujar: "Neném, para com essas atrapalhações, com esses enganos todos, com essas histórias de Mandraque. Que coisa mais feia, minha filha. Não presta enganar os outros desse jeito. Tem prefeito mágico que faz sumir o dinheiro da prefeitura. Mas você pensa que ninguém vai saber? É claro que vai, minha filha. Para de sacanagem. Você precisa arrumar um marido decente, que goste de você e que tenha coragem de trabalhar para te sustentar. Cria vergonha na cara, minha filha. Olha, o povo todo já sabe desse seu negócio de ser, de dia, Maria e, de noite João. Arruma um serviço decente, minha nega. Passou o tempo da vadiagem."
Depois de grafadas as palavras no papel entreguei a ela, que logo em seguida passou ao funcionário. Quando ele viu o tamanho do texto, ficou abismado. Disse que a transmissão custaria uma fortuna, porque o valor a ser cobrado baseava-se na quantidade das palavras da mensagem.
Bom, voltando o texto para mim eu comecei a compactá-lo. Risca ali, rabisca aqui e pronto; achando que agora tudo ficaria dentro das possibilidades, passei o comunicado ao funcionário.
Mesmo assim, dizendo que a tarifa seria bem alta, ele resumiu ainda mais a mensagem da velha senhora que ficou mais ou menos assim: "Vai trabalhar, minha filha. Esse negócio de cinema não combina muito com você".
Por ter saído do lugar, durante as tratativas entre a usuária e o encarregado, não fiquei sabendo se houve ou não a transmissão do conselho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:37


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D